Landscape Memories | Ângelo Encarnação

Landscape MemoriesÂngelo Encarnação

Nota de Imprensa

Landscape Memories

De 19 de Junho a 31 de Julho de 2009

VRSA.XXI é um projecto da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António que pretende, de uma forma regular, trazer à cidade propostas diversificadas no âmbito da arte contemporânea. Num domínio quase sempre marcado pelas questões da «incomunicabilidade» e da «incompreensão», este projecto, com comissariado Artadentro, tem como primeiro objectivo a formação dos públicos nesse confronto com a originalidade, a surpresa, a interrogação e o sobressalto.

O Presidente da Câmara Municipal,
Luís Filipe Soromenho Gomes

 

No âmbito de VRSA.XXI, um projecto com o objectivo de tornar acessível ao público de Vila Real de Stº.António, e aos visitantes da cidade, a fruição de arte contemporânea, a Artadentro propõe, como segundo momento, a exposição de pintura Landscape Memories, de Ângelo Encarnação.

Ângelo Encarnação (Tavira, 1976), termina em 2000 o Plano de Estudos Completo do Ar.Co., em Lisboa, onde estudou pintura e gravura e actualmente é professor. Vive e trabalha em Lisboa. Expõe a sua obra desde 1999, tendo participado em exposições individuais e colectivas. Bolseiro da Fundação Carmona e Costa, a sua obra integra colecções publicas e colecções privadas.

A trilogia composta por Artificial-Landscape Garden, em 2007, na Galeria Giefarte, Promised Land, em 2008, na Artadentro, e The Land Beyond the Sun, em 2009, na Galeria Diferença, apresentava trabalhos em que jogos cromáticos encontrados em imagens retiradas de publicações ou do ciber-espaço eram exacerbados, construindo paisagens utópicas, paraísos imaginários que marcaram o retorno de Ângelo Encarnação à linguagem das suas obras iniciais — a Paisagem e a cor.

Se durante esse período, partia de reproduções, de que se servia como estrutura base para as suas obras — paisagens que eram também campo ideal de pesquisa e experimentação —, agora, o artista propõe-nos um conjunto de pinturas a óleo sobre tela, executadas a partir de memórias então acumuladas. Há, portanto, uma progressiva deriva da representação do real (ainda que graficamente reproduzido) para a representação de estados psíquicos veículados por paisagens em que a execução expressiva e, sobretudo, a exploração do poder de indução emocional da cor, são determinantes.

Assim, em Landscape Memories, com passos lentos mas seguros, Ângelo Encarnação prossegue o desenvolvimento da sua obra pictórica explorando com consistência a sua vocação de colorista.

 

Artadentro,
Vasco Vidigal

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Postal do Algarve

Semanário Regional do Algarve

RUA FM

Mecanex Contabilidade e Fiscalidade